sábado, 24 de abril de 2021

PRESIDENTE DA ADEPPE DEFENDE QUE SEJAM PROMOVIDAS ATUALIZAÇÕES PARA DELEGADOS





O presidente da Associação dos Delegados de Polícia de Pernambuco (Adeppe), Francisco Rodrigues, defendeu nesta sexta-feira (23), durante a missa de 7º dia do delegado Flávio Anderson Liberato, que haja uma contínua atualização dos procedimentos operacionais realizados pelos policiais civis de Pernambuco. Delegado titular do município de Brejo da Madre de Deus, Liberato foi alvejado a tiros no último sábado (17) durante uma ação policial no município de Jataúba.


“Anderson faleceu em virtude de um crime organizado cada vez mais ousado, que não mais respeita a autoridade da Polícia. Ele tombou diante do cumprimento de uma medida legal, no estrito cumprimento de seu dever funcional e isso revela o grau de risco que nossa profissão está submetida. Por isso eu ressalto a necessidade de se promover constantemente os treinamentos e as atualizações necessárias para que a gente possa evitar que eventos como esse ocorram no futuro”, enfatizou o presidente da Adeppe.


“Estamos na linha de frente, enfrentando de peito aberto muitas vezes essa criminalidade cada vez mais equipada, cada vez mais ousada, e esse fato não deve ficar despercebido. Todos nós temos a capacidade e a responsabilidade de tentar evitar que fatos como esse aconteçam novamente”, completou Rodrigues.






Natural do Ceará, Anderson Liberato, 32 anos, começou sua carreira na segurança pública aos 18 anos, quando prestou concurso para a Guarda Municipal de Fortaleza. Em seguida, ingressou no cargo de investigador no seu estado natal. Aos 28 anos de idade, foi aprovado como Delegado para a Polícia Civil de Pernambuco.


A missa foi celebrada pelo Bispo Dom Limacedo Antônio, auxiliar da Arquidiocese de Olinda e Recife, e também teve a presença do secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, do chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Nehemias Falcão, e do diretor de Recursos Humanos da Polícia Civil de Pernambuco, Benedito Anástacio, além de delegados e delegadas que eram colegas de Liberato.