sexta-feira, 10 de maio de 2019

PREFEITURA DE CARUARU PARTICIPOU DE CAPACITAÇÃO DO SELO UNICEF

 

A Prefeitura de Caruaru, através da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SDSDH), esteve representada no primeiro dia de capacitação que a equipe do Selo UNICEF 2017-2020 promoveu nesta quinta-feira (09) no Caruaru Park Hotel. O evento continua nesta sexta-feira (10) e irá reunir nos dois dias de formação 123 municípios pernambucanos inscritos para a edição 2017-2020 do selo. Os encontros desta semana têm o intuito de promover uma formação sobre políticas públicas para prevenção de violência contra crianças e adolescentes.

 

“A temática da criança e do adolescente a gente já vem trabalhando em Caruaru enquanto serviço e política pública através dos CRAS, CREAS, entre outras ações. Neste evento estamos levando a experiência do nosso município para compartilhar com os demais e também ouvir a experiência das outras cidades como forma de nos capacitarmos”, destacou a assistente social da SDSDH de Caruaru, Thays Pedrosa.

Dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM/Datasus) de 2016 apontam o homicídio de 11.351 meninas e meninos de 10 a 19 anos em todo o Brasil (34 por 100 mil habitantes). Em Pernambuco, essa proporção é ainda maior, com 47 por 100 mil crianças e adolescentes de 10 a 19 anos mortos em 2016 (780 vítimas de homicídios). No mesmo ano, 1.615 adolescentes estavam em regime de medidas socioeducativas no estado, segundo o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). Ainda nesse período, a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Sinesp) registrou 2.342 casos de estupro ou tentativas de estupro (2.067 e 275, respectivamente).

“O objetivo das capacitações é contribuir para que os municípios que participam do Selo UNICEF adotem estratégias que já se mostraram eficazes para redução de homicídios de adolescentes, para atendimento adequado a vítimas de violência e para a redução do racismo e municipalização de medidas socioeducativas em meio aberto”, destacou a coordenadora técnica do UNICEF, Jane Santos.   

 

Adolescentes assassinados têm cor e classe social

Todos os dias, 31 crianças e adolescentes são assassinados no Brasil (Datasus 2016) e 43 mil meninos e meninas podem não conseguir chegar à vida adulta no período entre 2015 a 2021, (IHA 2014), se a situação não mudar. Em sua maioria, estas vítimas de homicídios são meninos negros, que vivem nas periferias dos grandes centros urbanos e que estavam fora da sala de aula. De acordo com relatório do IHA, meninos têm 12 vezes mais riscos de serem assassinados do que meninas, e os negros correm três vezes mais risco de serem mortos do que os brancos.

 

Sobre o Selo UNICEF

A Edição 2017-2020 do Selo UNICEF conta com a participação de mais de 1.900 municípios de 18 estados brasileiros, que assumiram junto ao UNICEF o compromisso de implementar políticas públicas para redução das desigualdades e garantir os direitos das crianças e dos adolescentes previstos na Convenção sobre os Direitos da Criança e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A experiência com as edições anteriores comprova que os municípios certificados com o Selo UNICEF avançam mais na melhoria dos indicadores sociais do que outros municípios de características socioeconômicas e demográficas semelhantes que não foram certificados ou participaram da iniciativa. Mais informações sobre o Selo

Nenhum comentário:

Postar um comentário